Acesso à informaçãoFaltam 23 dias para a Copa

Plantas

  • Genipapo

    Características: Atinge de 8 a 14 m de altura, com tronco de 40 a 60 cm de diâmetro; a madeira é moderadamente pesada, flexível, compacta e de longa durabilidade.

    Utilização: Construção civil; marcenaria, carpintaria; móveis e peças curvadas; coronhas de armas; batentes de portas e janelas; carrocerias; os frutos são comestíveis, fornece suco, e quando fermentado transforma-se em vinho e licor; doce; corante; plantios mistos em áreas brejosas e degradadas de preservação permanente; alimento para a fauna.

    Floração: outubro a dezembro.

    Distribuição geográfica: Todo o país.  

    Guaimbê-da-folha-ondulada

    • Guaimbê-da-folha-ondulada
    • Guaimbê-da-folha-ondulada
    • Guaimbê-da-folha-ondulada
    • Guaimbê-da-folha-ondulada

    Philodendron undulatum Engl. (Araceae) Distribuição Geográfica: Brasil, Paraguai Pode ocorrer como terrestre, semiaquática e epífita. Se assemelha à espécie denominada “cara-de-cavalo”, pertencente a outro tipo de Filodendro. Suas folhas são recobertas por uma grossa cutícula impermeável e possui canal de escoamento no centro, que faz com que a água escorra e goteje pelas pontas afiladas, a fim de assegurar seu deslocamento. Ocorrem em florestas tropicais, que se caracterizam por serem locais muito úmidos a maior parte do tempo. Como atividade de sensibilização, pode-se aproveitar o atrativo decorrente do tamanho das folhas e seu fácil acesso para sugerir aos estudantes que as toquem e sintam o recorte e a textura, observando as semelhanças e diferenças com folhas de outras espécies.

    Guapuruvu

    Características: Atinge de 20 a 30 m de altura, com tronco de 60 a 80 cm de diâmetro; a madeira é leve e macia.

    Utilização: Miolo de painéis e portas; brinquedos; saltos para calçados; reflorestamento de áreas degradadas de preservação permanente em composições mistas.

    Floração: agosto e outubro.

    Distribuição geográfica: estado da Bahia até o estado de Santa Catarina.  

    Helicônia

    • Helicônia

    Também conhecida como caeté ou bananeira-do-mato, é o nome popular dado às plantas do gênero Heliconia, o único da família Heliconiaceae. São nativas das Américas Central, Sul e Ilhas do Pacífico Sul. São ervas de porte médio a grande, onde atingem até 3 metros de comprimento, e o caráter mais chamativo são as inflorescências coloridas.O grupo possui, aproximadamente, 450 espécies e mais 200 híbridos.

    Imbaúba

    Características: Atinge de 10 a 15 m de altura, com tronco de 20 a 30 cm de diâmetro; a madeira é leve, macia e pouco durável; no interior de seu tronco vivem formigas agressivas, porém benéficas à planta, pois a protegem dos predadores de folhas, formando uma relação de mutualismo.

    Utilização: Caixotaria; forros; palitos; fósforos; balsa para transporte de madeira pesada nos rios amazônicos; paisagismo; os frutos como alimento para aves e animais diversos; as folhas são alimento principal do bicho-preguiça.

    Floração: agosto a novembro.

    Distribuição geográfica: Região Amazônica, principalmente no estado do Amazonas.

    Ipê-roxo

    • Ipê-roxo
    • Ipê-roxo

    Handroanthus heptaphyllus (Vell.) Mattos (Bignoniaceae) Distribuição Geográfica: Floresta Pluvial Atlântica da Bahia a São Paulo Atinge cerca de 20 metros, com flores rosa-arroxeadas, abundantes entre julho e setembro quando caem as folhas das árvores. A árvore é muito apreciada no paisagismo e amadeira é muito cobiçada por ser dura e resistente, podendo ser usada na confecção de quilhas de navios, pilares de pontes, postes, tacos de assoalho, eixo de rodas e bengalas. A madeira também posssui cristais de uma substância chamada lapachol, capaz de eliminar fungos, vírus e bactérias de várias doenças, além de ter propriedades anticancerígenas, antiinflamatórias e anti-sépticas. O ipê-roxo também pode ser usado no trtamento de problemas cardiovasculares e pressão alta. Outros 20 compostos também identificados na árvore são eficazes contra tuberculose, malária e pneumonia, entre outras doenças.

    Jacarandá-Caviúna

    Características: Atinge de 15 a 25 m de altura com tronco de 40 a 80 cm de diâmetro; a madeira é pesada, decorativa, resistente e de longa durabilidade; folhagem delicada e imponente pela forma aberta de sua copa.

    Utilização: mobiliário de luxo; construção de pianos; acabamentos internos em construção civil, como lambris, molduras, portas, rodapés, caixas de móveis; caixa de rádios e televisões; peças torneadas; instrumentos musicais; paisagismo; plantios mistos em terrenos degradados de preservação permanente.

    Floração: setembro a novembro

    Distribuição geográfica: estado da Bahia, estado do Espírito Santo, estado de Minas Gerais, estado do Rio de Janeiro e estado de São Paulo.

    Jaqueira do Lago Frei Leandro

    • Jaqueira do Lago Frei Leandro

    Frei Leandro do Sacramento, primeiro diretor do Jardim Botânico, cuidou da organização sistemática do arboreto, revitalizou a plantação de chá, aterrou baixios, declinou cascatas, traçou novas aleias e concedeu sementes das plantas para outros Jardins Botânicos. Em 1825, o lago que leva seu nome foi escavado pelos escravos comandados por frei Leandro, que os observava sentado no banco situado à sombra dessa mesma jaqueira, que àquela época já fornecia sombra. Com a terra retirada do Lago, foi construído um cômoro, pequena elevação de terreno, que permite uma visão panorâmica do Jardim Botânico. 
     
    A jaqueira (Antocarpus heterophyllus, Moraceae), que também pode ser encontrada no Caminho da Mata Atlântica, foi uma das espécies utilizadas para recuperação da cobertura vegetal da área e desenvolve-se com vitalidade, concorrendo com as espécies nativas.

    Jatobá

    • Jatobá

    Características: Altura de 15 a 20 m, com tronco de até 1m de diâmetro. Fruto legume indeiscente, marrom, com sementes envoltas por uma polpa farinácea, de cor amarela e com forte odor. Madeira pesada, muito dura ao corte, de média resistência ao ataque de insetos xilófagos sob condições naturais.

    Utilização: Construção civil, vigas, caibros, ripas, acabamentos internos, tacos e tábuas para assoalhos; confecção de artigos de esportes, cabos de ferramentas, peças torneadas, esquadrias e móveis; fruto comestível; reflorestamentos heterogêneos; paisagismo de parques e jardins. Os frutos contêm uma farinha muito nutritiva, consumida pelo homem e pelos animais silvestres.

    Floração: outubro a dezembro

    Distribuição geográfica: estado do Piauí até o norte do estado do Paraná.  

    Jequitibá-branco

    • Jequitibá-branco
    • Jequitibá-branco

    Cariniana estrellensis (Raddi) Kuntze (Lecythidaceae) Distribuição Geográfica: Sul do estado da Bahia até o estado do Rio Grande do Sul. Altura de 30 a 45m, com tronco de 90 a 120 cm de diâmetro árvore de grande porte, e flores alvas e pequenas que florescem de outubro a dezembro. Os frutos são alimentos comuns de macacos. O jequitibá-branco é muito utilizado na indústria moveleira, na construção civil, no paisagismo de grandes áreas e em reflorestamento heterogêneo com fins ecológicos.