Acesso à informaçãoFaltam 23 dias para a Copa

Plantas

  • Abricó-de-macaco

    • Abricó-de-macaco
    • Abricó-de-macaco
    • Abricó-de-macaco

    Couroupita guianensis. Distribuição Geográfica: Brasil (região amazônica), Guianas, Costa Rica e Antilhas Árvore muito alta, de 8 a 15 m de altura, com tronco de 30 a 50 cm de diâmetro. A madeira é leve, macia ao corte. As folhas são aglomeradas nas extremidades dos ramos. Os frutos são globosos, grandes e lenhosos, comumente denominados bala de canhão e muito perfumados. As flores são rosadas, exalando um aroma adocicado. Flores e frutos são distribuídos ao longo do tronco com a floração ocorre entre os meses de setembro e março. A madeira do Abricó-de-macaco é considerada madeira de lei e é utilizada na confecção de raquetes, compensados, moldes para fundição. Com o fruto são produzidos cuias e artefatos para paisagismo.

    Açacu

    • Açacu

    Hura crepitans L.. Atinge de 20 a 30m de altura, com tronco de 50 a 100cm de diâmetro; planta espinhenta e lactescente; a madeira é leve e macia. O látex é muito venenoso e temido pelos cortadores de madeira, que preferem sangrar a árvore antes de abatê-la. É utilizada na construção civil; confecção de copas de tamancos; compensados; palitos de fósforo; caixotaria; paisagismo. Floração: outubro a janeiro. Distribuição geográfica: Região Amazônica.

    Agave-dragão

    • Agave-dragão

    Agave attenuata Salm. (Asparagaceae) Possui grossas folhas de coloração clara verde-acinzentada com inflorescência longa e cilíndrica com muitas flores pequenas que originarão novas mudas. É uma planta muito utilizada em paisagismo, combinando muito bem com jardins rochosos ou tropicais.

    Aguapé

    • Aguapé
    • Aguapé
    • Aguapé

    Eichhornia crassipes Kunth. (Pontederiaceae) Popularmente chamada de gigoga, foi introduzida nos sistemas de água das cidades brasileiras por sua característica de absorção de poluentes, atuando como um filtro natural.

    Alecrim

    • Alecrim

    Rosmarinus officinalis L. (Lamiaceae) Erva utilizada como tempero na culinária para carnes, peixes, vinagres e azeites. Na cultura popular é utilizada sob o travesseiro para espantar os maus sonhos e como amuleto contra o mau-olhado. O alecrim também tem usos médicos no combate à depressão, a dores reumáticas e à acne.

    Andiroba

    • Andiroba
    • Andiroba
    • Andiroba
    • Andiroba
    • Andiroba

    Carapa guianensis Aubl. (Meliceae) Distribuição Geográfica: América Central e do Sul (Amazônia). Árvore grande, atingindo até 30 metros de altura, com tronco de 50 a 120 cm de diâmetro e casca cinzenta e grossa. Folhas compostas e grandes com até 1 metro de comprimento. Tem flores pequenas amarelas e vermelhas e fruto capsular. A madeira da andiroba tem valor econômica, sendo dura, mas fácil de trabalhar. É Madeira com valor econômico, utilizada para fabricação de partes de navios e na construção civil, além de marcenaria e caixotaria. Da casca são extraídos óleos medicinais. O uso do bagaço das sementes na confecção de velas repelentes de insetos foi desenvolvido nos laboratórios da Fundação Oswaldo Cruz. O odor exalado pelas velas de andiroba é eficaz para repelir os mosquitos, inclusive o Aedes aegypti, transmissor da dengue e da febre amarela.

    Artemisia

    • Artemisia

    Artemisia vulgaris L. (Asteraceae) Desde os tempos antigos, é utilizada na Europa, como remédio contra a fadiga e para proteção contra espíritos malignos. Os astecas e os índios a usam para rituais e fins medicinais com propriedade analgésica e antiespasmódica, entre outras.

    Árvore-do-viajante

    • Árvore-do-viajante

    Ravenala madagascariensis J.F.Gmel.(Strelitziaceae) Distribuição Geográfica: Madagascar Árvore com estipe semelhante ao das palmeiras e folhas idênticas às das bananeiras, formando gigantescos leques com flores brancas. Tem importância economica na fabricação de papel. Seu nome vulgar é atribuído pela capacidade de armazenamento, na base de suas folhas, de apreciável quantidade de água que era consumida por viajantes. Professores podem utilizar essa espécie como forma de correlacionar o uso da água no passado (consumo direto) com problemas ambientais atuais, decorrentes de agentes poluidores (por exemplo, chuva ácida) e de causadores de doenças veiculadas por via hídrica (cólera, dengue, etc).

    Babosa

    • Babosa

    Aloe vera (L.) Burm.f. (Asphodelaceae) Utilizada para diversos fins medicinais relacionados com a pele como acne, queimaduras, psoríase, hanseníase etc. Foram encontrados relatos do seu uso entre civilizações antigas como os egípcios, gregos e mesmo em citações bíblicas.

    Bálsamo

    • Bálsamo

    Sedum dendroidum Moc. & Sessé ex DC. (Crassulaceae) Conhecida por suas qualidades ornamentais e medicinais. Sua inflorescência é composta por pequenas e abundantes flores amarelas. Pode ser utilizada como cicatrizante, antiinflamatória e emoliente, entre outras propriedades medicinais.